As eternas

Monica Bellucci e Sophie MarceauAqueles que me seguem no Twitter já leram sobre as minhas infiéis estagiárias, Jubiely e Sulamita. São umas queridas, umas docinhas de côco, como diria um famoso apresentador de programa de TV, bastante popular também na Internet.

Eu, senhor zeloso das minhas meninas, tenho cuidado delas da melhor maneira possível, para que não lhes falte nada – a água na tigela, os pêlos sempre lustrosos e escovados, o branco dos olhos de um brilho ofuscante. Bumbunzinhos empinados e sutiãs meia-taça, de grife.

E ensino truques às meninas, caso contrário passariam o dia a lamber-se sem objetividade. Verdade, confesso, no início era divertida, toda aquela lambição. Entretanto, como sempre digo às minhas pupilas, a língua deve ser usada com objetividade e precisão, ou acabamos morrendo por ela.

Ensinei Jubiely a trazer, em sua boquinha de gloss fosforescente, as minhas revistas até a nossa cama (enquanto Sulamita me traz as pantufas e o chicotinho de couro). E, belo dia, com indescritível satisfação, saboreei a Paris Match ensalivada da semana: lá estavam, maravilhosas para além da língua, Monica Bellucci e Sophie Marceau.

Quando vi a capa, imaginei-me como o mais cândido e invisível dos fungos, navegando de uma epiderme a outra, um oceano de pele depilada repleto de tranqüilidade e de beleza. O Cristóvão Colombo das micoses. Sim, amigos, se houver reencarnação no universo, quero voltar evoluído como um fungo na virilha da Sophie Marceau. Daqueles que não saem com pomada alguma.

Junte a idade das minhas pequenas ajudantes e não dá uma Monica Bellucci inteira (perguntei-me: ó Senhor, quantas mulheres eu teria que juntar para dar uma Monica Bellucci? Que seja de TPM, vá lá, pra facilitar a conta. Enlouquecedora questão. Mulheres como ela insanam o mais racional dos homens, como eu).

Admirando as duas, assim abraçadinhas, se amando como se não houvesse amanhã, inevitável pensar que estão próximas de completar um século de beleza. Eu as vejo como monumentos das nossas vidas, eternos, indestrutíveis, à prova do tempo, testemunhas impassíveis dos nossos risos e das nossas lágrimas. Pudesse eu conquistá-las, proclamaria para quem pudesse ouvir: “soldados! Do alto dessas pirâmides, 40 anos vos contemplam!”

Comments (2)

  1. Andre Blak wrote::

    Jubiely e Sulamita são tão deliciosas e audacieuses quanto Moniquinha e Fifi?

    Wednesday, May 27, 2009 at 13:33 #
  2. Elas são legais e obedientes, ótimas pessoas, espíritos bons.

    Mas, enquanto as duas divas são pirâmides, Jubiely e Sulamita ainda são, como direi, apenas obeliscos de Buenos Aires.

    Friday, May 29, 2009 at 16:54 #