Tag Archives: Adamastor Goldman

Momentos íntimos

A boca, como sabemos, assim desprovida de qualquer função poética, carente dos lábios que beijam e descortinam os sorrisos, a boca é tão somente a primeira das duas cavidades corporais que nos dão início e fim às nossas entranhas. As duas cavidades infestadas de gordos micróbios como aqueles humanos que lhes dão de comer. A […]

O menino que não conhecia o Loxas

Loxas. Em língua farsi arcaica, significa “o ser iluminado que botou nas suas coxas”. Conhecido através dos milênios, de geração em geração, desde o mítico líder tribal Loxas al-Akhbar, da Mesopotâmia e terrenos alagados da vizinhança. Nenhum parentesco com a igualmente famosa rainha viking Sun-da (“o sol da minha vida que botou na sua bunda”). […]

O vencedor está só (e rico, muito rico)

Ingmar era um pastor das planícies desoladas da Pérsia. Um dia, ao chegar da guerra, percebeu que suas ovelhas estavam todas mortas. Foi quando a Morte lhe surgiu. E começaram os dois a jogar xadrez. – Você veio me buscar? – perguntou. – Eu sempre estive ao seu lado – respondeu a Morte. Autor desconhecido, […]

Mais sobre o Poder

Eu minto muito. Sou uma graça e pouco confiável, elas dizem. Mas o que vou narrar agora é a mais pura e destilada expressão da verdade. Aconteceu comigo. Como alguns de vocês sabem, meu trabalho exige constantes viagens internacionais. Assuntos pra esmiuçar, conselhos pra dar e vender (mais vender do que dar), crises para resolver. […]

Adamastor e o Gafagnoto

Pouca gente sabe, hoje confesso pra vocês: no século XVII, fundei uma ordem secreta dedicada aos prazeres do tato – OS PUGNETTI. Pugna, sei que não precisava explicar pois meus jovens leitores são todos muito cultos, significa “Luta”. Então a Ordem lutava pela justiça com as próprias mãos, suadas e peludas, incansavelmente, diuturnamente, todas as […]

Minha avó e o Vasco

Quando a minha avó morreu, anos atrás, supus que diria algumas palavras durante o enterro. Imaginei que alguém da família me pediria algum depoimento bacana, dado que sou a eventuais poesias – junte uma personalidade cínica enclausurada num bom coração com as leituras certas na infância e você pode criar alguém que se acha escritor. […]

A melhor mulher do mundo (2) – a importância de ser fiel

O maior calhorda do mundo é aquele que bate no peito e diz, eivado de suas certezas: “não olho pra mulher alguma que não seja a minha mulher”. Não percebe, submerso no pântano da própria insensibilidade, que a maior declaração de amor que poderia dar à sua amada é justamente a admissão pública de que, […]

A melhor mulher do mundo (1)

É madrugada, você acorda num sobressalto, o telefone tocando. Minha sogra morreu, você pensa, levemente preocupado. – Adamastor, Adamastor, é você? – A voz pergunta, chorosa e maviosa. E aí você, que estava só acordado, finalmente desperta. E responde com outra: – Scheila? Exatamente, é ela mesma, Scheila Carvalho, derramando lágrimas por sobre o seu […]

Revéillon na gaveta das cuecas

Às amigas e aos amigos que me leram em 2008, a população da gaveta de cuecas de Adamastor Goldman (parcialmente representada na foto acima) deseja um 2009 farto e desnudo. Que todas as tristezas sejam penduradas no cabide ao lado da porta do ano novo, e que possamos penetrá-lo com carinho e dedicação. Boas festas […]

O primeiro ano

É verdade, tudo começou aqui, há um ano mais um dia. Lembro-me como se fosse ontem, eu, Adamastor Goldman, embriagado pelas memórias, enternecido pelo uísque, embasbacado pelo ronronar dos dorsos nus das minhas amantes espalhadas pela cama. E pensei: tanta poesia merece ser eternizada. Primeiro, em imagens – e, para isso, câmera digital. Depois, em […]