Ataque de Pânico

 

Alguns inocentes “golpes” de marketagem dão certo… Fede Alvarez, um publictário uruguaio de 30 anos, juntou alguns amigos bambas em computação gráfica para realizar esse curta-metragem de 5 minutos. Alegou ter gasto 500 dólares na realização do filme (me engana que eu gosto!) e botou pra circular na rede há 2 semanas atrás. O vídeo já é hit no youtube e vai quebrar a barreira de 1 milhão de views logo, logo.

Não é pra menos. Num país onde a tradição cinematográfica é quase nula, ver esse ATAQUE DE PÂNICO causa, de imediato, o espanto absoluto. É irretocável e assustador! Se as marcas Steven Spielberg ou Roland Emmerich estivessem no curta, ninguém ia duvidar da procedência. Um roteiro bobinho que serve de fio condutor para mostrar em 5 minutos Montevideo sendo invadida por robôs gigantes. NADA TOSCO! É de um rigor técnico e estético capaz de deixar qualquer criador de blockbuster hollywoodiano de cabelo em pé. Tanto que os direitos do curta já estão sendo disputados a tapa por alguns dos maiores estúdios americanos. Aguarde porque, em breve, teremos um longa sci-fi arrasa quarteirão comandado por um ermano uruguaio.

Mas dizer que só custou 500 dólares é sacanagem, né não?

Comments (2)

  1. Luis Santos wrote::

    Eu acho que ele pode ter “custado” US$ 500. Basta tentar analisar o que significa custar… FOi clamado que “juntou alguns amigos bambas em computação gráfica”… Ora se o “custo” referido aponta tão somente o custo material, dado que os tais profissionais trabalharam por diletantismo, não se inclui aí o custo homem x hora destes profissionais, tem tampouco o custo máquina x hora usadas na produção, máquinas provavelmente pessoais ou de livre acesso de tais profissionais.

    Thursday, December 3, 2009 at 9:25 am #
  2. Andre Blak wrote::

    Luis,
    Eu tenho outra teoria. O dono da agência publicitária chegou no escritório dizendo: “Vamos fazer um filme pra entrar em Hollywood” Reuniu todos os funcionários, cada um recebeu uma tarefa e todos os custos entraram na operação normal da empresa. Quando alguém perguntou: “Mas como vamos chegar em Hollywwod?”, o patrão respondeu: “Dizendo que gastamos uma ninharia com o filme”… deu no que deu, sem tirar os brilhantes méritos do curta, é claro. Mas que é mentira deslavada, ah isso é!

    Thursday, December 3, 2009 at 9:55 am #